As escrituras

O que os Apóstolos ensinavam?

Após a ressurreição, os Apóstolos sabiam o que era para ser ensinado ao povo judeu, mas não era possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo.

O ensinamento oral era predominante, bem poucos sabiam ler, além disso, era difícil interpretar aquilo que era lido, além do fato que as pessoas não tinham rolos da Torá em casa, por isso, o papel dos Rabinos era fundamental nos estudos.

Em relação aos assuntos contidos no Tanakh, existiam escrituras que poderiam ser consultadas, mas quanto aos ensinamentos de Yeshua HaMashia, eram os Apóstolos quem os transmitiam verbalmente.

Mateus foi o único Apóstolo a escrever um livro das Boas Novas, originalmente escrito em hebraico, foi traduzido ao grego e inserido na B'rit Chadashá com o nome de o Evangelho de Mateus.

De uma importância imensurável, escrito por volta de 40 e 75 d.C., o livro de Mateus foi o único usado por todas as seitas judaicas crentes em Yeshua, sua distribuição foi grande e chegou a ser chamado de Evangelho dos Hebreus e Evangelho dos Netzarim.
Também é o único evangelho que tem sua larga distribuição historicamente comprovada.

Textos próximos aos originais são muito difíceis de serem encontrados. Na internet, existe um trabalho que promete chegar o mais perto possível dos originais, feito por Sha’ul Bentsion e era distribuído pela primeira versão do site www.toraviva.org, caso se interesse, clique aqui para baixá-lo.

O segundo livro mais importante das Boas Novas foi do Apóstolo João, escrito para a comunidade dos gentios na Ásia Menor em Éfeso, por volta de 90 e 110 d.C..
Na realidade, foi redigido por Natan que seguia rigorosamente as orientações do Apóstolo. Muitos acreditam que o texto que temos acesso hoje, não é o texto original, alguns defendem que ele foi editado mais de uma vez e outros dizem que verdadeiramente João não é o autor.

Os evangelhos de Marcos e Lucas, possivelmente foram escritos entre 64 e 80 d.C., e seus autores não eram Apóstolos.

Muitos outros livros foram surgindo até que se fez necessária a formação de um cânone, que demorou por volta de 250 anos para ser concretizada.

A princípio, os líderes das congregações publicavam listas de livros que acreditavam serem inspirados e autoritativos. O mais antigo documento encontrado, que continha uma destas listas, é de 170 d.C. e é chamado de "Fragmento Muratoriano".
Por volta de 397 d.C., o Terceiro Concílio de Cartago canonizou a lista com 27 livros que constavam na "Carta Oriental" de Atanásio, bispo de Alexandria, oficializando a B'rit Chadashá.


As diversas escrituras

Tanakh

Seu nome vem do acrônimo das divisões do texto massorético: ToráEnsinamentos, Nevi'imProfetas e KetuvimEscritos. É uma coleção de 24 livros, sendo que 22 foram compostos em Hebraico Bíblico, e os outros dois estão em Aramaico Bíblico.

A Torá se tornou um Livro Sagrado por volta de 400 a.C., e não recebeu nenhuma modificação até os dias de hoje.
O restante dos livros da Tanakh foram acrescentados e canonizados aos poucos: os Nevi'im por volta de 200 a.C., e os Ketuvim 100 d.C..

Compilada pelos homens da Grande Assembleia, que era composta por escribas, sábios e profetas. Seus integrantes são os sinônimos das técnicas usadas para a consolidação da obra.

A Tanakh é um livro sagrado onde os segredos Divinos mais sublimes assumem uma roupagem de narrativa histórica a fim de permitir-nos aprendê-los.original

Sefer Matitiyahu

Único livro comprovadamente escrito por um dos Apóstolos, é um importantíssimo documento a ser preservado pela humanidade, apesar de ser muito criticado pelos judeus que não acreditam no Messias.

São inúmeros os fatores que levaram Matitiyahu achar importante que seu Mestre fosse o Messias das Escrituras, a todo momento tenta provar isso citando passagens da Tanakh.
Ele não sabia que os ensinamentos, os milagres, a sua morte e ressureição, iriam ser provas mais que suficientes da Divindade de Yeshua. Ser ou não aceito como Messias, principalmente pelos fariseus, não faz a menor diferença, pois, muito superior a isso, verdadeiramente Yeshua é o Filho amado, em quem יהוה se agrada.

B'rit Chadashá

Infelizmente deve ser usada com muita cautela e atenção, já que nenhum dos 11 Apóstolos fizeram parte da sua canonização, nem ao menos tiveram conhecimento do conteúdo da maioria dos seus livros.

Além do Livro de Mateus, é difícil afirmar quais livros foram influenciados pelos seguidores da Opositora Trindade, e quais foram escritos por aqueles que distorceram os difíceis ensinamentos de Paulo, o Evangelista.

Nesta obra, os ensinamentos Divinos foram misturados com ensinamentos pagãos.

É importante frisar que os verdadeiros ensinamentos de Yeshua não contradizem, e também não se sobrepõem, aos da Torá, pois tanto o Messias, quanto seus Apóstolos, seguiam e ensinavam apenas o que existia na Tanakh.

Bíblia Sagrada

É a junção dos textos gregos do Antigo Testamento e do Novo Testamento.

No caso do Antigo Testamento, uma nova divisão, outra quantidade de livros, algumas diferenças textuais e traduções tendenciosas, afetaram bem pouco a mensagem global dos textos em que foi baseada.


O Caminho

O Caminho Divino não pode ser encontrado em Mega Eventos promovidos por celebridades das mais diversas etnias, ou em espetáculos de curandarismo e exorcismo, ou em palestras encantadoras que misturam mentiras com trechos das Escrituras Sagradas.

O Caminho é difícil e árduo, pois o Reino de Deus só é alcançado depois de muito estudo, oração e jejum. Depois de se conhecer a dor de não poder mudar o passado, e depois de aprender como é difícil mudar de atitude no presente.

Os justos que estão no Caminho, são iguais aos Netzarim do primeiro século: têm apenas a Torá, o Livro de Mateus e o Didaque como alicerce de seus conhecimentos, fé e conduta.

O que passa disso é confusão.

<< AnteriorPróximo >>
A Essência dos ensinamentos Divinos