As escrituras

O que os Apóstolos ensinavam?

Após a ressureição, os Apóstolos sabiam o que era para ser ensinado ao povo judeu, mas não era possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo.

A maneira que os ensinos eram passados é bem diferente do que vemos hoje nas igrejas. Naquele tempo os discípulos e o povo se reuniam em Sinagogas e o grupo rezava, lia as escrituras sagradas e estudava a Torá, como é costume até hoje entre os judeus.
Bem diferente das missas católicas, nas Sinagogas as pessoas fazem perguntas e interagem com os Rabinos, pois a reunião é verdadeiramente um estudo.

As escrituras sagradas que eles liam, chama-se Tanakh. Uma coleção de 24 livros composta de textos no Hebraico Bíblico, sendo que dois destes livros estão em Aramaico Bíblico. Foi usada como fonte para o cânone cristão do Antigo Testamento.
Concluída por volta de 450 a.C., o Tanakh não recebeu nenhuma modificação até os dias de hoje. Este nome vem do acronimo das divisões do texto massorético: ToráEnsinamentos, Nevi'imProfetas e KetuvimEscritos.

Os Netzarim, apesar de serem judeus praticantes, rejeitavam grande parte dos costumes dos fariseus, não praticando os ritos que não constam no Tanakh.
É no Tanakh que encontramos as referências das citações semelhantes a "como está escrito", ou "como disse o profeta", que aparecem na B'rit Chadashá.

O ensinamento oral era predominante. Bem poucos sabiam ler, além disso, era muito difícil interpretar aquilo que era lido, por isso, o papel dos Rabinos era fundamental nos estudos.
Em relação aos assuntos contidos no Tanakh, existiam escrituras que poderiam ser consultadas, mas quanto aos ensinamentos de Yeshua Hamashia, eram os Apóstolos quem os transmitiam.

Mateus, um dos 12 Apóstolos, foi o primeiro a escrever um livro das Boas Novas, que foi chamado de Sefer Matitiyahu. Originalmente escrito em hebraico, foi traduzido ao grego e hoje está inserido no Novo Testamento com o nome de o Evangelho de Mateus.
Com uma importância imensurável, escrito por volta de 50 a 75 d.C., o livro de Mateus foi usado por todas as seitas judaicas crentes no Messias, sua distribuição foi grande e chegou a ser chamado de Evangelho dos Hebreus e Evangelho dos Netzarim.

Tanto no Novo Testamento, quanto na B'rit Chadashá, as traduções e cópias receberam muitas influencias. Textos próximos aos originais são muito difíceis de serem encontrados.
Na internet, o único trabalho que promete chegar o mais perto possível dos originais, foi feito por Sha’ul Bentsion e é distribuído pelo site www.toraviva.org.
Caso se interesse, clique aqui para baixá-lo.

O segundo Apóstolo de Yeshua Hamashia a escrever um livro das Boas Novas foi o Apóstolo João, por volta de 90 a 110 d.C.
Ao contrário do livro de Mateus, não consegui encontrar nenhum trabalho que traga seu conteúdo original, a não ser a B'rit Chadashá e o Novo Testamento.
Muitos acreditam que o texto que temos acesso hoje, não é o texto original de João. Alguns defendem que ele foi editado mais de uma vez e outros dizem que verdadeiramente o Apóstolo não é o autor.

Pessoalmente acredito na sua autoria, principalmente se comparado ao livro de Mateus, pois João enfatiza, como se quisesse provar, a divindade de Yeshua Hamashia, e Mateus procurou mostrar os milagres, o ocumprimento das professias e a obediência e preservação da Torá.
São 2 autores mostrando visões diferentes de um mesmo Messias, completando-se para descrever um Ser único e eternizar a sua mensagem.

Os evangelhos de Marcos e Lucas, possivelmente foram escritos entre 59 e 70 d.C., e seus autores não eram Apóstolos de Yeshua Hamashia.
Muitos livros foram surgindo até que se fez necessária a formação do cânone da B'rit Chadashá, que demorou por volta de 250 anos para ser concretizada.

A princípio, os líderes da igreja, publicavam listas de livros que acreditavam serem inspirados e autoritativos. A mais antiga destas listas é de 170 d.C. e é chamada de "Fragmento Muratoriano".
Por volta de 397 d.C., o Terceiro Concílio de Cartago canonisou a lista com 27 livros que constavam na "Carta Oriental" de Atanásio.

Sem dúvida a B'rit Chadashá é muito importante para os que creem no Messias. Mas, com excessão do Sefer Matitiyahu, em hebraico, não é possível definir quais evangelhos foram influênciados pelas doutrinas da Opositora Trindade que, além de deturparem os ensinamentos dos Apóstolos de Yeshua Hamashia, criaram o Cristianismo que se separou da ceita O Caminho, cuja é a verdadeira Igreja Primitiva.


<< AnteriorPróximo >>