O fim de tudo

Fé corrompida, ensinamentos distorcidos, deuses e messias inventados...

Onde tudo isso irá nos levar?

Infelizmente a resposta é triste, não existe para onde sermos levados, porque já estamos vivendo as consequências.

Basta olhar a sua volta, observe e reflita. Não é necessário nenhum dom mediúnico, ou então um espectro de conhecimento evoluidíssimo, muito menos algum tipo de revelação divina, para entender que o nosso mundo está entregue a vaidade, ganância, guerras, drogas e muitas outras manifestações maléficas que, se eu for enumerar aqui, resultariam em páginas e páginas de vírgulas.

E os mantenedores de todas as religiões que existem no mundo, até mesmo do Judaísmo, não conseguem reverter a situação que a humanidade se encontra por um único motivo: Instituição Religiosa não é o caminho para o reino de D'us, pois elas só são capazes de conduzir a elas mesmas, e a mais nenhum outro lugar.

Tanto não podem nos aproximar de Elohim, quanto não tem nada a nos ensinar, pois estão contaminadas de preceitos, ideologias e opiniões criadas por seus fundadores e mantenedores, que colocam todas as suas invenções em caixinhas e as entregam para as pessoas como sendo verdades absolutas e divinas.
Mas não são!
Nem verdades, nem absolutas e muito menos divinas.

Yeshua Hamashia mostrou que isso já acontecia em seu tempo, quando definiu os Fariseus que se escandalizavam com seus ensinamentos:
"Deixai-os, são guias cegos; ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão no barranco." Matitiyahu 15:12a14.
E também foi claro ao nos avisar que outros ainda viriam:
"Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis." Matitiyahu 7:15.

Não é preciso muito esforço para lembrar de inúmeras denúncias que revelaram verdadeiros frutos podres nas mais diversas instituições.


É o fim de tudo?

Estou condenado a virar churrasquinho de demônio e ficar pururucando feito fatia de bacon nas lavas do inferno por toda a eternidade?
Não, com certeza não, pois é como dizem os grandes filósofos: "Não se preocupe Doutor, fora vazamento de óleo, tem jeito pra tudo.".

A solução é simples: estudar!
Mesmo que você participe, ou não, de alguma instituição, estude!
Estude agora, não é depois, amanhã, quando tiver tempo... É agora!

Questionar não é pecado, nem heresia. Procure as origens das verdades, tente entender o porquê das coisas e, principalmente, procure o contexto original de um ensinamento que lhe é apresentado isoladamente.
Estas atitudes são consideradas pecaminosas e ofensivas, quando a intenção não é ensinar, e sim manipular as pessoas.

Influenciados pelos costumes judaicos, os Netzarim se reuniam em Sinagogas. Quando a perseguição aumentou, chegaram a se reunir secretamente em catacumbas, e nunca deixaram de se reunir.
O que eles faziam de tão importante nestas reuniões?
Oravam em comunidade, estudavam as escrituras, trocavam informações e evoluíam em conhecimento.

Antes da Opositora Trindade, os Netzarim formavam uma comunidade, e não uma instituição.
Em comum acordo, ensinavam e tentavam se unir na mesma sabedoria e no mesmo entendimento, ou seja, compartilhavam o conhecimento. Além de serem historicamente reconhecidos como cumpridores rigorosos das leis da Torá.

<< Anterior
A Essência dos ensinamentos Divinos